Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Middle Way

Blog humanitário e reivindicativo da liberdade e felicidade de todos, até do próprio planeta.

Blog humanitário e reivindicativo da liberdade e felicidade de todos, até do próprio planeta.

29
Out17

Relatos de uma meia maratona

JR

Não é novidade que fui correr a meia-maratona de Lisboa pela equipa da Associação Nacional de Fibrose Quística (ANFQ). Como referi num post anterior, não costumo (costumava?) correr regularmente, apenas o fazia de tempos a tempos, quando o acumular de inércias somadas me pesava na consciência.

 

Naquela manhã, valeu-me a companhia da minha irmã mais velha que, também sem experiência prévia, prontamente se juntou a mim nesta empreitada.

 

Acordamos cedo, por volta das 6 da manhã, preparadas para tomar o nosso pequeno-almoço nutricionalmente planeado. Estavamos entusiasmadas e bastante confiantes! Os últimos treinos tinham corrido bem, estavamos as duas mais resistentes.

Saímos, ainda ao amanhecer, para apanhar o metro até ao Parque das Nações, ponto de encontro da nossa equipa. Já nessa altura se antevia o calor do dia. Às 7 e pouco da manhã, estava uma brisa morna, o ar um pouco abafado. Ao entrarmos na estação de metro, fomos encontrando cada vez mais gente de dorsal numerado. Os nossos camaradas! À medida que nos aproximavamos do local da partida, um nervoso miudinho ia-se instalando. 

O Parque das Nações estava repleto de corredores de inúmeras nacionalidades! Sorridentes, afáveis, determinados. Pouco tempo depois, apanhamos o autocarro que nos levaria até à ponte Vasco da Gama. Fomos rodeados pela Team Diabetes, do Canadá - todos rigorosamente preparados!

 

O ambiente na ponte é fenomenal! A paisagem indescritível. Ao som de música alta, lá nos fomos aglomerando, prontos para a partida. Eu, cada vez mais nervosa, ansiosa por correr, sem saber bem o que esperar. Lá ao longe, conseguíamos ver metade do nosso trajecto. Parecia impossível alcançá-lo...!

 

IMG-20171015-WA0008_resized_20171029_101725069.jpg

 

Não havendo por onde fugir, às 10h30 lá partimos!

 

Toda a gente em festa, cada um a encontrar o seu ritmo. Eu e a minha irmã separamo-nos logo ao início, cada uma concentrada na sua passada. Tento desligar-me das restantes pessoas, controlar a respiração, seguir o ritmo dos treinos, olhando para o relógio. Sem pressas, sem exigências desmedidas. O sol alto sem dar tréguas, reflectindo no asfalto da ponte. Subida ligeira. Ainda muita gente a conversar animada ao meu lado, era difícil concentrar-me. Mas, lá saímos da ponte, descemos e começamos a aproximar-nos do Parque das Nações. Estava cansada, mas um cansaço ainda suportável e dentro do que estava à espera. Pouco depois dos 6 Km o calor começa a ser demasiado real. Parece que todo o meu corpo o absorve.

 

Em termos psicológicos, a prova em si é mais exigente: está sempre alguém a ultrapassar-nos, estamos constantemente a sentir-nos a ficar para trás. Mal nos apercebemos que, nós também, estamos a ultrapassar alguém! Na verdade, começamos a questionar aquilo a que nos propusemos.

 

Encontro, finalmente, água. Bebo o que consigo, despejo o resto por cima de mim e continuo. 

Ao longo do percurso, vários palcos com concertos de música Rock vão reavivando as passadas. Perto dos 10 Km, encontro a minha irmã e seguimos parte do caminho juntas. Por volta desta altura, sinto-me a derreter. Os quilómetros parecem esticar. Parece-me impossível ainda ter meio caminho pela frente. Entre os 12-13 Km estamos em plena Avenida Infante D.Henrique. Não há uma única sombra. Estou bem atrás do tempo de treino. Sigo uns metros a andar. Tomo o gel energético. Anseio, desesperadamente, por mais água. À minha volta, já quase ninguém conversa. Silêncio, para além das passadas dos restantes. Ganho coragem, retomo algumas forças e volto a correr.

 

Entre os 15-16Km, aproximamo-nos da Praça do Comércio. Tenho, permanentemente, sede. Não sinto os pés, os músculos das pernas ardem. Nesta altura sei que já estou a correr há cerca de 2h30m, muito mais do que esperava. Tenho 30 minutos para chegar à meta e ainda tenho a Avenida da Liberdade para subir. Não suporto o sol. Tenho a certeza de que não vou conseguir. Não paro. Corro.

 

Em plena baixa lisboeta temos, várias vezes, que nos ir desviando de pessoas que andam pela estrada, não sei se corredores ou meros turistas. Volto a andar, passo rápido. Penso em desistir, sentar-me no passeio e ligar a alguém para me vir buscar. Continuo.

 

Ao passar o Marquês de Pombal inicio o trajecto final, agora em descida. Tenho mais 2-3 Km pela frente. Vejo o relógio que marca 2h48m. Ganho coragem e corro, corro, corro. Num pequeno golpe de esperança, acho que ainda consigo chegar à meta antes das 3h e levar, orgulhosa, a medalha à minha bebé. Pouco me lembro desta etapa. Sei, apenas, que cheguei à meta em sofrimento visível, passando-a após 2h56m de corrida. 

Consegui.

 

Procuro a primeira sombra disponível e sento-me a comer, sôfrega, um calipo de laranja que nos entregaram na meta. Peço ajuda e espero pelo meu marido. Encontramos a minha irmã, também ela exausta mas feliz por ter acabado! Nenhuma de nós se consegue levantar durante alguns minutos. 

 

IMG-20171015-WA0012.jpg

 

Após muito esforço, lá tentamos caminhar até ao primeiro taxi disponível. Entramos e adormecemos instantaneamente. 

 

Ao chegar a casa, entrego a medalha à minha filha. Como uma banana, tomo um duche e vou dormir pouco depois. Estou, completamente, esgotada.

Só mais tarde, ao acordar um pouco melhor, consigo apreciar a surpresa incrível que o meu marido tinha à minha espera. Sempre acreditou em mim. Ele é único.

 

IMG-20171015-WA0022.jpg

 

Naquele dia disse, a alto e bom som, que nunca mais ia repetir tal proeza. Tinha sido uma experiência incrível, tinha superado os meus limites e alcançado o meu objectivo: levar a t-shirt da ANFQ ao longo de 21,1km. Mas nunca mais o iria repetir.

 

Duas semanas depois, começo a sentir uma inquietação qualquer. Quase como que um chamamento, uma vontade. 

Se consegui correr esta meia-maratona em 2h56m, porque não tentar 2h30m no próximo ano?

 

Vamos, Nani?

 

13
Out17

Porque vou correr a Meia Maratona pela Fibrose Quística?

JR

Estou a pouco mais de 24 horas de correr 21,1 Km pela equipa da Associação Nacional de Fibrose Quística (ANFQ). Gosto de correr, é verdade. Mas não sou corredora assídua, vou correndo aqui e ali. Até decidir embarcar nesta aventura, eram mais as vezes que o sofá ganhava às sapatilhas e correr 5 Km eram uma tortura. Mesmo assim, mal soube que a ANFQ ia formar uma equipa, decidi em segundos. 

Como mãe de uma linda menina com Fibrose Quística, eu mesma me perguntei: porque vou eu fazer isto? Que mensagens posso eu tirar deste ímpeto?

 

É por ela. Quero fazê-lo por ela. Quero que, no futuro, ela o perceba como um exemplo. Quero que ela entenda que conseguimos fazer aquilo a que nos propomos. Que, mais do que o corpo, a mente domina. A força encontra-se, se a procurarmos. Assim que decidimos ir, ganhamos força para nos levantarmos, dia após dia, e correr, correr, correr. Que a persistência compensa, que a inércia e a dor podem ser contornadas. Que, mais do que chegar à meta, é o caminho que nos dá satisfação. O percurso que temos de percorrer para chegar lá. E, não chegando, retirarmos paz de uma tentativa sincera. Percebermos a liberdade que isso nos dá.

 

Por outro lado, preciso de provar a mim própria que tenho força. Não tanto física, mas emocional. Principalmente emocional. Quero que ela saiba que, nos dias em que a doença lhe for mais pesada, eu estou preparada para correr ao lado dela, os-quilómetros-que-forem-necessários. Quando o cansaço dela for grande, quero saber motivá-la, erguê-la. Para isso, tenho de saber motivar-me e erguer-me primeiro. É, precisamente isso, que tenho treinado nestes dois últimos meses.

 

Quero que ela sinta que, a forma como ela encara a vida, a determina. Que as coisas podem ser vistas de diversos ângulos. As coisas são assim mesmo, aleatórias e imprevisíveis. A segurança de um dia pode tornar-se instável no dia seguinte. No minuto seguinte. E há, apenas, que continuar. Ter coragem e calçar as sapatilhas.

 

Quero também, com a corrida, divulgar, alertar, dar a conhecer a doença. Existem várias doenças crónicas invisíveis. A FQ é uma delas. Protejam os vossos espirros, protejam a vossa tosse. Lavem as vossas mãos. Uma gripe banal pode ser, para alguns, sinónimo de internamentos e suporte ventilatório. Protejam o vosso cigarro, principalmente ao pé de crianças. O cigarro deve ser uma escolha individual e não partilhada. Olhem à vossa volta.

 

Quero agradecer a todos os que, com o seu conhecimento e persistência, procuram a cura de doenças aparentemente incuráveis. São, também eles, maratonistas encobertos, desconhecidos, mas que sustentam as suas ideias e as levam para a frente. Até ao fim. Por favor, não desistam.

 

No fundo, quero entender e transmitir que todos nós temos corridas a correr, umas mais curtas, outras mais longas. Umas literais, outras em sentido mais figurativo. A estrada está lá, cabe-nos a nós dar o impulso.

 

IMG_20171007_190401.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

07
Ago17

Como sobreviver aos treinos para uma meia maratona - bolas energéticas

JR

IMG_20170802_152645.jpg

 

 

Isto de tentar correr uma meia-maratona não é pêra doce...!

 

Tenho seguido os treinos do plano que escolhi e estou a aguentar-me. Mas não vou negar: é difícil. Os treinos são cansativos para quem nunca correu de forma séria ou regular.  Inicialmente, o cansaço era extremo, bem como as dores musculares. Tive de rever a minha alimentação e procurar os nutrientes necessários para conseguir aguentar tanto os treinos como, depois,  a meia maratona em si. Ainda tenho muito a aprender neste campo...

 

Encontrei esta receita e resolvi experimentar.

É, definitivamente, um boost calórico e energético, óptimo como snack pós-treino. Ao chegar a casa, depois de esgotadas as minhas reservas energéticas, para além da hidratação obrigatória, tenho comido uma ou duas destas bolinhas caseiras com um iogurte grego ou skyr ou uma banana.

Aos poucos e poucos, começo a suportar melhor o esforço. E estou a ganhar...aquele bichinho da corrida. Há quem diga que se pode tornar um vício...

 

INGREDIENTES:

- 16 colheres de sopa de aveia

- 11 colheres de sopa de côco ralado

- 8 colheres de sopa de manteiga de amendoim

- 5 a 8 colheres de sopa de pepitas de chocolate negro

- 8 colheres de sopa de sementes de linhaça moídas

- 1 colher de chá de aroma de baunilha

- 5 colheres de sopa de geleia de agave

- 1 colher de sopa de sementes de chia

 

Juntam-se todos os ingredientes numa taça média e mistura-se bem.

 

 

IMG_20170802_153141.jpg

 

IMG_20170802_153104.jpg

 

IMG_20170802_153026.jpg

 

IMG_20170802_152950.jpg

 

IMG_20170802_152910.jpg

 

Este preparado final é colocado no frigorífico durante cerca de meia hora.

Por fim, basta moldar as bolinhas com as mãos et voilá!

 

IMG_20170802_152611.jpg

 

Deliciosas.

 

Que receitas pós-treino têm por aí?

 

 

PS - a grande maioria dos ingredientes foi comprada a granel na fantástica Maria Granel. Zero desperdício.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Ler

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D