Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Middle Way

Blog humanitário e reivindicativo da liberdade e felicidade de todos, até do próprio planeta.

Blog humanitário e reivindicativo da liberdade e felicidade de todos, até do próprio planeta.

19
Dez17

A viagem - uma história #3

JR

Setembro de 2012

 

III

 

Acordei para uma manhã solarenga. Abri as cortinas para deixar entrar a pálida luz e deixei-me dormitar um pouco mais. O hotel pareceu-me estranhamente vazio, com poucos carros no parque de estacionamento. Demorei até encontrar a sala do pequeno-almoço. Depois de uma sandes de queijo e de um café revigorante, lá arranquei rumo ao Alto Alentejo. Ao longo destes três dias, tenho-me apercebido de que uma boa banda sonora no carro influencia bastante o nosso estado de espírito. Com isso em mente e com uma boa dose de energia, deixei tocar bem alto os hits da minha adolescência, na voz de Fred Durst - e na minha. E assim, gritando raivas acumuladas pela janela do carro, cheguei a Vila Viçosa.

 

Por sorte, estamos no último dia das festas dos Capuchos. A praça principal da terra estava cheia de pessoas andando, de um lado para o outro, de cerveja na mão. Outras encostavam-se a um estrado de madeira que delimitava uma espécie de recinto que tinha, como ponto central, uma fonte de pedra. Foi então que ouvi um estrondo! Com curiosidade, furei a multidão e, também eu, espreitei através das grades. Dei de caras com um touro grande, preto e pachorrento. Aparentemente, era o touro 36, segundo a inscrição que trazia no dorso. "Ah! Este mexe-se mais que o de ontem! Pelo menos, já corre pelo recinto todo. O de ontem ficou-se ali por cima" - disse-me, apontando, uma senhora de chapéu na cabeça que se aproximou de mim. "Lançam um touro por dia?" - perguntei. "Não, não! São três. Hoje ainda tem mais dois para ver". 

Olhei para o touro e achei-o tudo menos energético. Olhava confuso para todas as pessoas que o incitavam e, de vez em quando, lá investia. Os corajosos forcados amadores, nas suas camisas brancas e óculos Ray Ban, corriam desalmadamente para o ponto elevado mais próximo. Decidi deixar a multidão animada a cansar o pobre bicho e fui ver o castelo.

Como calculei, estava vazio. Entrei na igreja, sentei-me um pouco ao fresco, voltei a sair e decidi entrar no cemitério. Logo à entrada, a campa de Florbela Espanca! Ah! Como eu devorava os poemas dela! Li-os muitas vezes, nas alturas tristes, partilhando a mágoa e solidão que ela tanto descrevia.

Regressei, depois de um passeio rápido pela vila, para a zona animada da festa dos Capuchos. O mesmo touro, o tal 36, lá andava de um lado para o outro, babando-se de cansaço. Olhos desnorteados, narinas abertas da respiração ofegante, tentando decidir qual dos corajosos merecia mais um pouco do seu esforço. Com tamanha indecisão, achei que era altura de ir almoçar uns pézinhos de coentrada, antes de rumar a Borba.

 

O caminho entre Vila Viçosa e Borba está cheio de pedreiras de mármore. Pedras brancas gigantes, amontoadas, como se tivesse havido, na noite anterior, uma chuvada de pedras. Lá mais para a frente, como estava à espera, as vinhas. Estas mantêm-se durante o resto do caminho e multiplicam-se até Elvas.

O centro histórico de Elvas está dentro de grandes muralhas protegidas, ainda, por um fosso fundo. À volta da cidade, existem mais dois fortes, o forte da Graça e o de Santa Luzia, que nos propiciam uma vista magnífica do alto do Castelo. Pela primeira vez, fiquei a dormir em casa de amigos. Lá consegui exercitar a minha voz. As conversas desenrolaram-se, cada vez mais fluidas, durante um óptimo jantar alentejano de migas de espargos e hortelã, regado com um bom vinho regional alentejano recomendado pelo empregado de mesa, que era brasileiro. Encontrava-me entre um engenheiro e uma médica. 

O dia acabou com uma volta nocturna pela cidade velha. Assim, à noite, a cidade ganhou um encanto especial. E foi aqui, em Elvas, que pela primeira vez senti falta de ter alguém comigo, ao meu lado, nesta viagem. As muralhas iluminadas, no meio da ventania forte que se fazia sentir naquela noite estrelada, merecia um abraço, com Badajoz no horizonte.

 

 

Fechei a porta atrás de ti.

 

Quando entraste, naquela noite, sabia que tudo tinha um jeito de despedida. Trouxeste tu a garrafa de vinho e eu não fiz jantar. Sentia um nervosismo resignado, bem diferente do nervosismo expectante das outras vezes. Sempre me deixaste nervosa, como quem não sabe onde pôr a mão, como colocar a voz, qual a palavra certa.

Conhecia-te de histórias, de longas e míticas histórias dos teus tempos de rebeldia e, a princípio, foi difícil associar-te, a ti fisicamente, à personagem que tinha criado no meu imaginário. Mas, foste marcando presença no meu dia-a-dia e eu deixei. Falar contigo começou a ser fácil. Sempre fui uma pessoa mais de palavras escritas do que faladas, mas tu fazias questão de me ouvir e de te fazeres ouvir. E eu ouvi, ouvi sempre. Já não tinha como fugir, como estar longe de ti. Foi tudo tão rápido, parecia tudo tão magnificamente irreal, mas forte e intenso e perigoso. 

Foi assim que eu vivi a nossa história.

 

***

 

Portanto, fechei a porta atrás de ti, depois do beijo e do abraço, e chorei. Fiquei encostada à porta a tentar ganhar coragem para chamar por ti pela janela, ou à espera que tu fizesses o mesmo. Mas deixei passar os minutos e secar as lágrimas. Foste-te embora e eu fiquei, irremediavelmente, à tua espera.

 

Durante a tua ausência, revivi os momentos que tínhamos passado juntos, as conversas, as tuas expressões por detrás das palavras. A cidade rendeu-se ao frio de Dezembro e eu coloquei a minha pequena árvore de Natal ao pé da janela. Luzes coloridas na escuridão propositada da casa. Nessa escuridão, enchia o copo de vidro vermelho com vinho e olhava, sem ver, a rua de calçada portuguesa através da janela. Pensei em ti, desmedidamente. Via-nos, ainda, no sofá desconfortável da sala, nas longas noites de conversa que partilhávamos. Quando agora penso em ti, lembro-me do frio das ruas, do aconchego de estar em casa, dos pés molhados da chuva. Lembro-me dos telhados das casas e do rio ao fundo, do céu estrelado do Alentejo. Lembro-me do pulso acelerado, dos papéis escritos, das memórias que guardei para depois partilhar contigo. Lembro-me do tempo que nunca mais passava, principalmente, desse tempo que nunca mais passava.

Foste o meu Verão e o meu Inverno.

 

***

 

Acho que nunca te apercebeste do quanto de mim levaste contigo na viagem. Voltaste incompleto e não te voltei a abrir a porta. Quando dei por mim, estava sozinha com as mãos cheias de um amor que guardei, inútil e estúpido. A porta fechada. A árvore de Natal guardada na caixa, o início da Primavera lá fora. O tempo que tinha, afinal, passado e o sofá vazio. O Alentejo lá longe.

 

 

 

...to be continued.

Follow
01
Jul17

Dia Mundial das Bibliotecas

JR

dd05190ada36b12ffeb4cfff2267c55b.jpg

 

 

Sim, é verdade. Agora descubro estas coisas.

 

Confesso, adoro livros. Adoro as palavras. Fascina-me a forma como, se tivermos cuidado e atenção, conseguimos descrever, quase ao pormenor, sentimentos e sensações. Tantas e tantas vezes, ao ler, descubro relatos fiéis de coisas que senti mas que nunca tinha conseguido transformar em frase. Reconforta-me. A literatura é bonita e torna a vida bonita. Preenche a vida de vida. De muitas vidas. Dá-nos vida e, ao mesmo tempo, abstrai-nos dela.

 

Nos últimos anos os livros têm-se demorado mais na estante. Mais do que queria. E tenho pena. Por isso, ultimamente, tenho feito um esforço por ler mais, por ler como antes, ao ritmo de antes. Às vezes, para cuidarmos daquilo que gostamos, é preciso dedicação (e menos horas de sono...).

 

Regressando às bibliotecas...lembro-me de, em pequena, trazer livros da biblioteca. Daqueles com o papelinho branco e um código identificador. Assim que os entregava, trazia logo outro. E outro e depois outro. Mas, o que eu gostava mesmo era de descobrir os livros da nossa biblioteca familiar. Sentar-me em frente à estante (ou empoleirar-me nela para chegar às prateleiras do topo) e perder tempo a escolher uma história.

 

Por muito que estudar cansasse e desejasse ardentemente pelas férias, tive sempre um gosto miudinho pelas épocas de exame, em que saía de casa rumo a uma biblioteca. 

 

Em criança, quando projectava a minha casa futura, não pensava no números de quartos, closets ou piscinas. Dizia sempre: "a minha casa vai ter uma biblioteca".

Não tem, ainda. Mas o sonho permanece. O sonho de uma casa de campo, ponto de encontro da família, dos filhos crescidos e, depois, dos netos. Uma porta entreaberta, ao fundo de um corredor: a biblioteca. Estantes de livros carinhosamente guardados ao longo dos anos, por mim e pelo pai, onde as crianças escolhem as mesmas histórias que nos fizeram rir. Ou chorar. E avistar, pela noite dentro, uma luzinha acesa no quarto dos miúdos por não conseguirem parar de ler - "só mais um capítulo, só mais um!". E sorrir, fechar os olhos e deixá-los ler a noite toda.

 

Essa biblioteca existe dentro de mim. E é, mais ou menos, assim.

 

07dd638b6b6012c8ec03155d4c63f732.jpg

 

0f302b30b87a6010cf03ba4f448dfd5c.jpg

 

d7f0ccd39ba052c09331bf2d21508700.jpg

 

efe8448ff9b78c74816c8c07acbc5f55.jpg

 

f7d279d06cc2890a08200f9f21542ff3.jpg

 

 

Alguém com uma biblioteca em casa?

Follow
17
Jun17

Fui à feira do livro apanhar um escaldão. Ah, e também comprei livros!

JR

Sexta-feira, 16 de Junho. Levanto-me cedo com a bebé a querer o seu pequeno-almoço. Depois de tudo orientado com a babysitter, que chegou entretanto, lá saio eu,toda gaiteira, rumo à Feira do livro de Lisboa. Deviam ser umas 10h e pouco quando lá cheguei, sorriso na cara, entregue à minha liberdade literária quando...."o quê?! Está tudo fechado?! Onde estão os meus inúmeros livros hipotéticos?!". Suspiro. Lá desço eu o parque, ladeada por barracas fechadas e cinzentonas contornando, aqui e ali, algumas carrinhas que descarregavam caixotes.

 

11h30 - Após um café e uma nata, nova tentativa. Começam a ver-se alguns livros expostos. Esfrego as mãos e começo a odisseia. À medida que os minutos passam, mais barracas abertas, novas possibilidades. Vejo tudo e faço a minha primeira ronda. Começo a anotar mentalmente onde quero voltar, o que quero comprar, quais as melhores promoções. Vou sorrindo aos vendedores, às pessoas que passam. Começa a cheirar a comida.

 

 

IMG_20170616_160257.jpg

 

 

 

13h - Já com alguns livros no saco, derreto-me lentamente pela feira. Está um sol abrasador, claro, claro que faz doer os olhos. Dói-me o sobrolho de tanto o franzir e os óculos de sol escorregam-me pelo nariz. Mas não desisto. Tirei metade do dia para isto. Por que raios não mergulhei no protector solar..?!

 

14h - Completamente desidratada, engulo uma garrafa de água fresca. Sento-me numa mesa à (pouca) sombra que encontro e como um cachorro vadio e bebo uma coca-cola. De sobremesa, peço o meu café e um brigadeiro de chocolate e pimenta rosa. Nova onda de coragem e começo a última peregrinação.

 

15h - Arrasto-me pela estação do metro a caminho de casa. Estou um trapo seco, mas feliz.

 

A feira está gira e animada. Tem muitos livros mas também várias opções de comida e bebida. Quem quiser aproveitar estes dois últimos dias de feira:

 

- Ponha protecção solar 50+

- Leve chapéu!

- Água, muita água.

- Não leve uns sapatos que deixem metade do pé aberto e que tapem a outra metade. Garanto que vai ficar com um bronzeado esquisito.

- Podendo, evite as horas de maior calor.

- Não tapem completamente os carrinhos de bebé! Tapar o sol, claro. Mas deixem circular o ar lá dentro ou aquilo vira estufa e rapidamente desidratam.

- Leia muito e divirta-se!

 

 

Entretanto, reparei neste fenómeno pós-maternidade que julguei que só se aplicava às roupas.

 

IMG_20170616_155948.jpg

 

 Por mais que tente fazer compras para mim, a pequenina sai sempre a ganhar...! Sou atraída invisivelmente para tudo que é secção de bebé. Tanto nas roupinhas (maravilhosas) de menina como, aparentemente, até nos livros.

 

Boas leituras :)

 

Follow
02
Mar16

Velhos hábitos

JR

IMG_20160227_150532.jpg

 

 

Ao chegar a esta fase, descubro que os dias podem ser, efectivamente, longos. É uma questão de perspectiva! De um momento para o outro, dou por mim com horas vazias nas mãos, parada algures pela casa, a tentar perceber como quero ocupar os dias. Vou fazendo, lentamente, as tarefas normais: pendurar roupa, pôr as máquinas a lavar, tratar das compras mas, mesmo assim, escorrem-me minutos à volta.

 

Foi então que voltei a usar este tempo como, há já muitos anos, usava. Sentei-me e li. Nunca deixei de ler, mas dei por mim a "ler à pressa". Hoje, deixei-me consumir pela história, pelo enredo, pelas personagens...tirei tempo para pensar nas frases, nos segundos sentidos. Posso, finalmente, saborear o folhear das páginas, que adoro, com tempo e sem horários a cumprir. E sabe tão bem!

 

Sou, completamente, viciada em Fernando Pessoa. Na sua singularidade, forma autêntica de sentir e de conseguir descrever sentimentos. Na forma como se desdobra, genialmente, em vários.

Neste livro, não só vamos sendo confrontados com excertos das suas obras, incorporados num romance biográfico, como parece que o vamos acompanhando, ao longo da sua vida, com livre acesso aos seus pensamentos. Aos seus e dos seus heterónimos, maioritariamente Àlvaro de Campos, o meu preferido, que vai saltitando ao longo do livro, expondo a sua irreverência sem medos.

 

Além disso, descobri que a  almofada de amamentação é óptima para apoiar tanto o livro como os braços!

 

Os livros fazem-nos tão bem...!

Follow

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Ler

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D